Diário de um Lobo

Quando me perdi da minha família chegando à Praia Central de Guaratuba por uma corrente marítima, não sabia que ali eu iria encontrar pessoas que estariam dispostas há passar 24 horas por dia ao meu lado.

Era uma sexta-feira, (01/09/17) logo após o meio dia quando cheguei à praia, algumas pessoas saíram correndo achando que eu iria atacá-las, na verdade, eu estava exausto, queria apenas descansar e retornar ao meu habitat.

Nessa parada, fiquei exatamente seis dias, entre a praia e a calçada, lugar em que descansava e dormia. Exames foram realizados por Médicos Veterinários do PMP-BS ao qual constatou que eu estava bem e saudável. Fui monitorado por muitas equipes, como: da Polícia Ambiental e Militar, dos Guardas Municipais, Seguranças Particulares, do Programa de Monitoramento das Praias (PMP-BS) do Centro de Estudos do Mar da UFPR, pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Voluntários e claro, um fotógrafo que passou dias e noites registrando cada momento da minha estadia. Foi muito legal!

Durante os dias, o pessoal do Centro de Estudos Marinhos (CEM ), se revezavam para cuidar de mim e não deixavam que nada de mal acontecesse. Passou os dias e veio às noites, e os voluntários também. Que amor de pessoas, serei sempre grato a todos! Que mais pessoas como essas possam existir neste mundo acolhendo e hospedando bem seus visitantes.Quando o dia raiou, já havia algumas pessoas caminhando pela praia e pelo calçadão, algumas vinham me olhar, falando que eu tinha que ser removido dali, que estava doente, passando fome. Sabe, essas pessoas não entendem que somos lobo-marinho, de peito branco, espécie subantártica, que vivem nas Ilhas do Norte da Antártica, do extremo Sul da América do Sul e da África, que podemos ficar vários dias sem comer.

Passando alguns dias, acordei disposto, estava decido, senti que era o momento, os ventos sopravam ao meu favor, era hora de partir. Foi então, quando senti uma forte vibração na areia, assustado, corri para a calçada novamente, era um caminhão que passou próximo onde eu estava. Passado o susto, resolvi adiar a minha ida, deitei na calçada e fiquei descansando.Acordei de madrugada com a maré batendo nos barrancos, querendo invadir a calçada, olhei de um lado, olhei de outro, vi que todos estavam por ali, inclusive o fotógrafo que registrava tudo naquele momento. Havia uma forte neblina naquela madrugada, mal enxergava um dos pontos turísticos mais visitados da cidade, o Morro do Cristo.

Amanheceu o dia novamente, aquele frio pela manhã, o mar não estava muito legal, então às 13h14da tarde do dia 6 de setembro, quarta-feira, eu senti que era uma boa hora. Havia chegado o momento de partir, eu tinha que ir, agradeci a hospitalidade e parti, entrei aos poucos no mar e fui, de longe, um aceno de agradecimento por tudo que fizeram por mim, que você pode conferir aqui, neste vídeoEsta é uma história baseado em fatos reais, vivenciada por pessoas que dedicaram boa parte do seu tempo, se revezando entre equipes para cuidar de um lobo que por seis dias descansou na “Praia Central de Guaratuba”, litoral do Paraná.

Nosso Fotógrafo passou dias e noites registrando cada momento do nosso ilustre visitante, que você pode conferir nas postagens que foram feitas de hora hora durante a passagem do lobo marinho pela praia de Guaratuba, usando a Hashtag “#VoluntárioLB” no Facebook, e também na nossa Página do Facebook 

fonte> Nosso Litoral

URL curta: http://uraionline.com.br/new/?p=15338

Deixe um Comentário

Imagens

Desenvolvido por Media Point