Empresário é detido suspeito de manter seis filhos e mulher em cárcere privado em Fortaleza

Filhos não tinham documentos e não frequentavam escola. O parto da filha mais nova do casal foi feito no apartamento pelo próprio pai da criança.

Um empresário que mantinha seis filhos e a mulher em cárcere privado foi detido e conduzido à delegacia nesta sexta-feira (25) em Fortaleza. Segundo a Defensoria Pública do Ceará, as vítimas eram mantidas presas em um apartamento na área nobre de Fortaleza sem móveis e eram impedidas de ter contato com outras pessoas. As crianças também não frequentavam a escola e duas delas não possuem certidão de nascimento. Um inquérito policial foi aberto para investigar o caso.

O Núcleo de Atendimento da Defensoria da Infância e da Juventude (Nadij) entrou com uma ação urgente de medida protetiva para acolhimento institucional das seis crianças e adolescentes mantidos em cárcere privado pelo pai. Os filhos, quatro meninas e dois meninos, têm idades entre 4 e 19 anos. O crime foi descoberto após denúncia anônima por meio do Disque 100.

Segundo a defensora pública e titular do Nadij, Ana Cristina Barreto, que acompanhou o caso, as crianças e adolescentes eram mantidas isoladas de amigos e familiares. O pai tem problemas psicológicos, com relatos de perseguição e alucinatórios, segundo informou a defensora. As crianças mais novas têm dificuldade de falar, segundo a defensora. A Defensoria apura ainda se eles sofriam algum tipo de agressão física e se alimentavam regularmente.

O homem, identificado pela polícia como Massaharu Nogueira Adachi, é descendente de japoneses e mora em Fortaleza há 19 anos. A suspeita é de que ele mantinha a família privada de liberdade desde que chegou à capital cearense, de acordo com a Defensoria Pública. O G1 tentou ouvir o suspeito, mas ele não quis falar com a imprensa durante a condução.

O apartamento onde todos moravam possui cinco cômodos, divididos entre cozinha, quarto, sala, área de serviço e banheiro. O imóvel, localizado na Rua Visconde de Mauá, no Bairro Aldeota, não possui móveis e todos dormem em redes. No local tem apenas eletrodomésticos como fogão, geladeira e máquina de lavar.

“É uma situação muito delicada, que causa muita perplexidade, até pelo bairro onde ocorreu, uma área considerada nobre na cidade e com bastante movimento. As crianças serão acolhidas para proteção delas. Será realizada uma análise psicossocial do abalo que isso acarretou realmente pra cada uma delas e o tipo de tratamento que vai ser preciso ser feito”, comentou a defensora.

Filha nasceu em casa

Durante a visita do Conselho Tutelar, a mãe das crianças apresentou apenas a certidão de nascimento de quatro filhos. De acordo com o relatório apresentado à Defensoria Pública, as informações relatadas apontam que duas crianças mais novas não possuem nenhum documento. A filha mais nova, inclusive, nasceu na própria casa em procedimento realizado pelo pai.

Nesta manhã, equipes do Nadij, Polícia Civil e Conselho Tutelar estiveram no imóvel e conduziram o pai para a Delegacia de Combate a Exploração da Criança e Adolescente (Dececa), onde um inquérito policial deverá ser aberto para investigar o caso.

Os filhos e a mulher foram levados para uma unidade de acolhimento, que não teve o nome revelado por questões de segurança. A filha de 19 anos e a mulher deverão ser levadas para a Delegacia de Defesa da Mulher.

fonte: G1

URL curta: http://uraionline.com.br/new/?p=15287

Deixe um Comentário

Imagens

Desenvolvido por Media Point