Debaixo do Pé de Ingá –

Oi gente, um forte abraço. O nosso último texto foi há bastante tempo, você se lembra? Seu título era “Sinos do Amor”, e se encontra postado no site em três partes. Veja nossa nova mensagem que vai mexer com sua imaginação.

Dono de centenas de alqueires de terra e o maior criadouro de suínos e gado confinado da região, além de um número descomunal de empregados, o latifundiário Sr Manuel Antunes Martins, conhecido pela região como “Manézão” era reverenciado por todos da região como um rei. Vivia com sua família na Fazenda Boa Esperança, junto à sua esposa, Dª Fernanda, Manézão tinha uma única filha, Rosi, de nove anos. Toda carne que era comercializada na região vinha de seu frigorífico, era a riqueza do fazendeiro que movimentava quase todo o comércio do lugarejo, o que fazia dele uma pessoa muito importante.

Na fazenda onde morava, seu braço de direito era o Sr. Fernando Godói do Nascimento, era ele o seu administrador, a família do seu Fernando, ele, sua esposa e o seu único filho de onze anos de nome Marcelo, moravam bem perto do casarão do fazendeiro. Enquanto o Manezão se deslumbrava com sua riqueza, o Fernando se deslumbrava com a boa administração que fazia na fazenda onde ficava o criadouro de porcos.
Rosi, ou melhor, Rosinha, como todos a chamavam deleitava-se de uma infância feliz juntamente com Marcelinho: iam juntos para escola que ficava perto de suas casas, depois passavam o dia todo juntos, correndo pelo terreiro, brincando, sorrindo.

Com o passar dos outonos, nascia o início de seus sonhos. Agora na adolescência, os corações do casal de jovens batiam agora em outro ritmo, o do Amor! E já não mais conseguiam viver longe um do outro. Anos mais se passaram, Marcelinho com dezenove anos e Rosinha com dezessete, se tornaram almas gêmeas e só pensam agora em ficar juntos por toda uma vida.
Rosinha, porém, sabia que o namoro não teria a aprovação de seus pais, pelo seguinte motivo: os dois desejavam primordialmente ter um filho homem para fazê-lo doutor, o que não era mais possível, pois pouco tempo depois de Dona Fernanda conceber a luz à Rosinha, os médicos descobriram um mioma, e fez-se necessário a cirurgia de remoção de útero, destruindo assim a chance de tentarem ter outro filho.
Rosinha e Marcelinho escondiam o namoro com muita incumbência para não serem descobertos. O cenário romântico que embelezava o amor de Rosinha e Marcelo era uma mata debaixo de um frondoso pé de ingá centenário que ficava do outro lado do rio, o lugar era seguro para os encontros, a correnteza era rasa e fácil de atravessar, ali o pai de Rosinha nunca tinha pisado, era outra propriedade. Debaixo daquele pé de ingá, sob o cantar dos pássaros e o som melodioso das águas cristalinas que escorriam suavemente por entre as pedras é que o casal trocava juras de amor e passavam momentos felizes. Com um canivete desenhavam no tronco do ingazeiro muitos corações e escreviam lindas frases de amor e desejos para o futuro.
Um amor puro assim, que nasceu na infância e teve seus sonhos desabrochados nos corações de dois jovens na adolescência, ardente como brasa viva, um amor que nasceu e cresceu como o cedro do Líbano e floresceu como a mais bela palmeira, tal amor deveria ser aclamado pelas estrelas, pelas nuvens e até pelas águas do mais profundo oceano, deveria ser ungido da forma mais suntuosa, com galardão e honrarias, mas o que esperava esse amor tão lindo, tão puro e inocente era um cálice muito amargo.
Manezão, um homem que conhecia muito bem o valor do dinheiro, mas não conhecia o valor da vida, do sentimento, das pessoas; não conhecia o valor do amor. Ao perceber que sua filha estava gostando do empregado, esbravejou e proibiu o encontro de ambos, jamais permitiria que sua filha se casasse com um moço que cuidava dos porcos. O Manezão da fazenda que era venerado como rei pelo povo de toda uma cidade não tinha nada de Majestade, seu aspecto de rei era apenas por seus caprichos, por sua maldade estava destruindo sem piedade a felicidade da própria filha e do seu empregado que nasceu e cresceu em sua fazenda.

Dias depois para evitar que Rosinha continuasse se encontrando com Marcelo, Seu Manuel convida um doutor recém formado para vir à sua casa conhecer sua filha. O jovem médico se encanta pela beleza de Rosi e assim iniciou-se um namoro forçado por intermédio do pai. Rosinha não tirava Marcelinho do pensamento, chorava pelos cantos da casa, amargurada sem deixar ninguém perceber o seu sofrimento, mas quando tinha oportunidade lá estavam, Rosi e Marcelo trocando juras de amor embaixo do ingazeiro.
Um ano de namoro e o casamento é marcado pelo fazendeiro, a alma de Rosinha e Marcelinho está em fel de amargura, a maldade do velho parecia que iria mesmo por um final naquela história de amor.
Dois dias antes do casamento, Marcelo está aflito, não consegue dormir, vai até a cozinha, pega papel e caneta e começa a escrever.

“Rosinha, você foi o meu primeiro amor e será também o meu inesquecível amor, eu jamais te esquecerei, você sempre será a minha doce lembrança. Você se lembra quando íamos juntos pra escola? É, era eu que levava sua mochila, eu era o seu segundo professor, te ensinava as coisas que você não sabia. Nós crescemos juntos, nunca nos separamos por nada, começamos a nos amar ainda éramos crianças, quando ainda escrevíamos cebola com s e sapo com c. Quantos corações, quantas frases de amor escrevemos lá naquele pé de ingá. Aquele ingaseiro será testemunha por toda vida do nosso amor. O canivete que usávamos para escrever, para desenhar tantos corações está aqui ao meu lado, eu vou te mandar de presente. Guarde-a em um baú e a deixe envelhecer, e daqui há muitos anos tire-a do baú, toda enferrujada e lembre-se que ela selou o nosso amor lá no ingaseiro. Você se lembra daquele verso que você escreveu com ela? Você ainda era uma menina. A frase que você escreveu era assim: “Quando eu crescer meu bem, eu serei só sua e você será somente meu”. Os corações, as lindas frases de amor não se apagarão no ingaseiro, o nosso amor também não se apagará, mesmo separados eu desejo a você muitas felicidades, eu quero que você seja feliz. Mas ainda há em meu coração um restinho de esperança, se você se lembrar de mim antes de dizer sim lá em frente ao altar, eu estarei te esperando lá debaixo do ingaseiro. Deixarei um carro atrás da igreja para te resgatar se antes de dizer o sim você disser um não. Lembre-se disso Rosinha, quando você estiver lá na igreja perante o altar, eu ainda estarei te esperando uma última vez, um beijo, meu inesquecível amor. Ass. Marcelinho”.

FIM DA PRIMEIRA PARTE

EM BREVE O FINAL.

Jair Garcia Martins (Jair Padeiro)

15/12/2016

URL curta: http://uraionline.com.br/new/?p=14903

37 Comentários para “Debaixo do Pé de Ingá –”

  1. Experiente

    Que tudo. Não vejo a hora de terminar. e o video ficou fantástico.

  2. Takeshi

    Há quanto tempo. Valeu a pena esperar. Adorei tudo, principalmente o video que praticamente conta a história. Parabéns amigo Jair.

  3. Jorge da Capadócia.

    Fantástico. Amei. Superação total. Video fabuloso

  4. Minoro okamoto

    Show de bola. que venha o final.

  5. Marcelo Ferreira

    Pra sempre teu fã. super video, muito bom gosto

  6. Lindo

    Lindo, adorei. que videos bons hein.

  7. Helena Tapie

    Fantastico, muito bom mesmo. extremo bom gosto.

  8. Julio Cesar B. Dantas

    Caramba, que inspiração. tudo muito belo, uma história de amor contada em texto e video. fantástico.

  9. Francisco Dias

    UAU. DE TIRAR O FOLEGO.

  10. Kelly Minogue

    Nunca tinha lido um texto seu antes, mas, esse eu tive a curiosidade de ler, e gostei. O video do rio me remeteu a minha infancia no congonha, muito lindo.

  11. Lilian Su

    Amei. Simplesmete tudo

  12. Beto Morato

    Romantismo puro. Chorei.

  13. Yuri

    Dificilmente um texto me emociona, esse emocionou.

  14. Lori Ogata

    parabens

  15. Tereza H.

    O poeta da simplicidade ataca novamente em grande estilo.

  16. Quenia

    Muito linda história. Aguardo o restante.

  17. Ester dos Santos

    Aguardo anciosa o resto da historia de amor mais linda que ja tive a oportunidade de ler. os videos são de matar.

  18. Ulisses

    Grande Jair.

  19. Larissa Lima

    Bom texto e video. Uma perola.

  20. Giseli

    Muito fantástico, boa história , enredo bom, aguardo o fim

  21. Alvaro Bernardes

    A boa literatura agradece a voce jair.

  22. Sistema X

    Brasileiro de coração. Romantico ao extremo.

  23. Zeila

    Deixa muito escritor no chinelo. show.

  24. Brigite

    O dom do romantismo é pra poucos. parabéns ao escritor. e ator

  25. Aroldo Buzato

    Grande leitura. Gostei.

  26. Monique Harada

    Uma história que já não se conta mais. Romantismo puro. muito sensível. tocante, emocionante. O video já fala por sí.

  27. Edson Murakawa

    Segunda parte agora…

  28. Hilda Santa bárbara

    Você tem o dom de escrever e atuar também. um verdadeiro artista.

  29. Narada

    Fabula emocionante. será que isso foi real?

  30. Keila busseli

    impressionante o romantismo e o video fantastico

  31. Santilho Tattoo

    Bacana pra caramba, há muito tempo não lia um texto incrível como esse. Video de extremo bom gosto também, parabéns

  32. George Harison

    Bravo

  33. Silvio Cunha

    Na velocidade do amor e da paixão. Um texto muito lindo. acompanhado de um video bem produzido. parabéns aos autores.

  34. ILDA BOSELLI

    QUE LINDO. ME EMOCIONEI DE VERDADE. LI E RELI

Deixe um Comentário

Imagens

Desenvolvido por Media Point